sexta-feira, janeiro 11, 2013

So far away so Close...

So far away so close....

Será o título de um fime?
Ou uma canção?
è assim que me sinto:
no casamento,
no amor,
no sexo,
na amizade,
no trabalho,
na vida....

Sá as minhas filhas me trazem alegria.
Eis o meu retrato: emotionally detached
:-(
saaaaaad.....

e tu meu outro YIN, onde andas?

terça-feira, dezembro 05, 2006

O César, a Cláudia e a Zé

Conheço-os desde que entraram na faculdade. Durante muitos anos fizeram parte da minha vida. Estive com eles nas esplanadas, nos jantares, nas festas, nos bares. Lembro-me de cada um deles com a minha filha ao colo. Os nossos caminhos separaram-se mas nunca deixei de os procurar e acabei por me ir cruzando com eles algumas vezes. Procurei sempre o César nas páginas do Record. Orgulho-me de reconhecer um título "à César". Lembro uma promessa que lhe fiz e que ainda não cumpri: organizar uma exposição com as tiras de BD que ele desenhava. Mas cumpri a promessa que fiz à Cláudia: levei-a "à bola".
Agora que ficaram a viver na Patagónia (como diz o Quim), vai ser mais difícil cruzar-me com eles. Fico com as recordações.

terça-feira, novembro 07, 2006

the boys of summer

The Boys of SummerThe Boys of Summer Nobody on the road nobody on the beach I feel it in the air the summer's out of reach Empty lake, empty streets the sun goes down alone I'm drivin' by your house Though I know you're not home But I can see you- Your brown skin shinin' in the sun You got your hair combed back and your sunglasses on, baby And I can tell you my love for you will still be strong after the boys of summer have gone I never will forget those nights I wonder if it was a dream Remember how you made me crazy? Remember how I made you scream? Now I don't understand what's happened to our love, But babe, I'm gonna get you back I'm gonna show you what I'm made of I can see you- Your brown skin shinin' in the sun I see you walkin' real slow and you're smilin' at everyone I can tell you my love for you will still be strong after the boys of summer have gone Out on the road today I saw a DEADHEAD sticker on a Cadillac A little voice inside my head said, ";Don't look back. You can never look back."; I thought I knew what love was, What did I know? Those days are gone forever I should just let them go but- I can see you- Your brown skin shinin' in the sun You got that top pulled down and that radio on baby And I can tell you my love for you will still be strong after the boys of summer have gone I can see you- Your brown skin shining in the sun You got that hair slicked back and those Wayfarers on, baby I can tell you my love for you will still be strong after the boys of summer have gone

sexta-feira, junho 23, 2006

Solstício de Verão

É incrível que passou um ano e o que num ano se passou....

Parece que o Tim sempre tinha razão, "e o que foi não volta a ser, por mesmo muito que se queira "

Estamos todos de parabéns.

Um bj muito especial


( Rolling Stones, "Some Girls " - 1978, Track 1? )

sábado, abril 22, 2006

Late fragment

And did you get what you wanted from this life,
even so?
I did.
And what did you want?
To call myself beloved, to feel myself
beloved on the Eearth.

Raymond Carver

(Poema que faz parte da exposição "life and death" patente no British museum)

terça-feira, abril 11, 2006

Todo o amor do mundo não foi suficiente

Todo o amor do mundo não foi suficiente
Porque o amor não serve de nada.
Ficaram só os pápeis e a tristeza,
Ficou só a amargura e a cinza dos cigarros e da morte.
Os domingos e as noites
que passámos a fazer planos
Não foram suficientes e
Foram demasiado poque hoje são como sangue no teu rosto,
são como lágrimas.
Sei que nos amámos muito e um dia,
quando já não te encontrar a cada instante, cada hora, não irei negar isso.
Não irei negar nunca que te amei.
Nem mesmo quando estiver deitado,
Nu, sobre os lençóis de outra e
E ela me obrigar a dizer que a amo antes de a foder.

José Luís Peixoto, para A Naifa

segunda-feira, março 06, 2006

Placebo - Meds

Está quase a ser lançado o novo albúm dos Placebo. Sai a 13 de Março. Gosto do que já ouvi. E mal posso esperar por pegar no CD.
O site deles diz que virão cá, dia 26 de Maio, ao Superbock.

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Sylvain Chaveau


Este senhor francês fez um CD de versões acústicas de Depeche Mode. Só por isso, já gosto dele. Os Depeche Mode são uma das minhas bandas de culto. Não os oiço há 25 anos mas quase. Não gosto de todos os CD's mas quase. Fui uma das 5.000 pessoas que os viu em Alvalade em 93. Embora já tenha visto muitos concertos, poucos estarão tão vivos na minha memória como esse. Nem mesmo o do Pavilhão Atlântico (demasiados "paraquedistas", como algém já escreveu, a cantar o "Just Can't Get Enough, uma das que eu menos gosto).
Oiço sempre com muita atenção as versões que se vão fazendo das suas músicas. Gosto particularmente de uma: Billy Corgan a cantar "Never Let Me Down Again". Mas também gosto da versão deste senhor. E de "Home". Agradeço à Radar a descoberta deste CD. Foi o albúm em destaque nos Discos Voadores, do Nuno Galopim.

terça-feira, fevereiro 21, 2006

Chegou ontem

"Extraordinary Machine"
Fiona Apple

Finalmente foi editado em Portugal o novo CD da Fiona Apple. Há meses que saiu no resto da Europa. E há meses que vou ouvindo partes na minha rádio favorita. Mesmo havendo a possibilidade de ir à net "sacar" algumas músicas (o que não fiz), não há nada que se compare ao prazer de pegar na caixinha de plástico, tirar o invólucro e pôr o CD a tocar (o que acabei agora mesmo de fazer). Prevejo uma tarde produtiva. Se não for de trabalho, de boas audições sei que vai ser.

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Carlos Ruiz Zafón

Foi o escritor vencedor do prémio Correntes da Escrita, anunciado hoje, na Póvoa do Varzim, com o livro "A Sombra do Vento". Mesmo não sabendo quais eram os outros concorrentes, arrisco-me a dizer que foi uma boa escolha. Quando me perguntam qual foi o livro que mais gostei de ler não respondo porque não consigo destacar só um. São tantos os livros que me marcaram. Mas este foi um deles. E é também um dos que eu mais recomendo. A escrita é fluída, realista ao ponto de quase visualizarmos o decorrer da narrativa e a história é muito interessante.

terça-feira, fevereiro 14, 2006

O Amor é

Ferida que não dói,
a palavra que não precisa de ser dita
um olhar suspenso dos teus olhos,
respirar o ar em que respiras,
dizer o teu nome
e ouvir nele a tua voz,
esperar-te em cada instante
em que sei que me esperas,
dar-te a alegria que me dás,
ver-te chegar num eco de ave
e deixar que me prendas
com o teu gesto mais suave,
sentir-te, só, ao pé de mim,
e sentir-me tão só longe de ti,
saber que existes em mim
como sei que existo em ti.
(...)

Nuno Júdice

terça-feira, janeiro 17, 2006

Pergunta: As memórias afectam para sempre a nossa vida?

Refazendo um caminho que não fazia há meses lembrei-me que há recordações que facilmente saem do fundo da caixinha. Fiquei a pensar: será que, sempre que fizer este caminho, recordarei as mesmas coisas? Será que o passar do tempo atenua as recordações e poderei voltar a este caminho sem me recordar?

quarta-feira, janeiro 04, 2006

PARABÉNS!!!!!

Não era bem assim que querias, mas foi o q pude arranjar...
Foto: Surf Portugal

sexta-feira, dezembro 30, 2005

Desejo para 2006

Aproveitando o desejo para 2006 que deixei no post anterior (não é o de deixar de fumar, porque esse não é bem um desejo é mais o "politicamente correcto"...), fica aqui um poema de Fernando Pessoa sobre o mesmo tema: ser feliz.

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar
irritado algumas vezes, mas não esqueço
de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena
viver, apesar de todos os desafios,
incompreensões e períodos de crise…
Ser feliz é deixar de ser vítima dos
problemas e se tornar um autor da própria história…
É atravessar desertos fora de si, mas ser
capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma…
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida…
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos…
É saber falar de si mesmo…
É ter coragem para ouvir um "não"…
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta…
Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo...

Mais um ano que chega ao fim

Gosto de anos ímpares. Parece-me que tudo o que foi, ou é, importante na minha vida, aconteceu em anos ímpares. Este, não foi excepção. As emoções que vivi este ano, dificilmente voltarão a repetir-se, concentradas num tão curto espaço de tempo. Apaixonei-me. Duas vezes. Duas paixões diferentes, vividas de forma diferente (não serão todas assim?). Uma acabou (não acabarão todas?) e deixou muitas recordações no meu baú. Não deixou mágoa. A outra é a minha vida, o meu ancoradouro, os braços que me dão paz, o sorriso que alegra os meus dias. Aprendi muito este ano. Reaprendi a amar. E espero continuar a aprender no próximo e em todos os outros a seguir. Determinação para o póximo ano (e para todos os dias da minha vida): quero ser feliz! Também queria deixar de fumar...
Um bom ano de 2006!

quinta-feira, dezembro 15, 2005

Poema de Natal

Vinicius de Moraes

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

sábado, dezembro 03, 2005

Raphäel...et le tréma


Et en plus elle chante et ecrit comme ça:


Q
uatre consonnes et trois voyelles c'est le prénom de Raphaël,
Je le murmure à mon oreille et chaque lettre m'émerveille,
C'est le tréma qui m'ensorcelle dans le prénom de Raphaël,
Comme il se mele au "a" au "e", comme il les entremele au "l", Raphaël...

Il a l'air d'un ange, mais c'est un diable de l'amour,
Du bout des hanches et de son regard de velours,
Quand il se penche, quand il se penche, mes nuits sont blanches,
Et pour toujours... Hmm

J'aime les notes au goût de miel, dans le prénom de Raphaël,
Je les murmure à mon réveil, entre les plumes du sommeil,
Et pour que la journée soit belle, je me parfume à Raphaël...
Peau de chagrin, peintre éternel, archange étrange d'un autre ciel...

Pas de délice, pas d'étincelle, pas de malice sans Raphaël,
Les jours sans lui deviennent ennui, et mes nuits s'ennuient de plus belle.
Pas d'inquiétude, pas de prélude, pas de promesse à l'éternel,
Juste l'amour dans notre lit, juste nos vies en arc-en-ciel, Raphaël...

A l'air d'un sage, et ses paroles sont de velours,
De sa voix grave et de son regard sans détours,
Quand il raconte, quand il invente, je peux l'écouter
Nuit et jour... Hmm

Quatre consonnes et trois voyelles c'est le prénom de Raphaël,
Je lui murmure à son oreille, ca le fait rire, comme un soleil.


Pourais pas tu rimer avec Daniël
, tréma et tout?

O francês sussurrado...

O francês sussurrado assim vale a pena...

On me dit que nos vies ne valent pas grand chose,
Elles passent en un instant comme fânent les roses.
On me dit que le temps qui glisse est un salaud que de nos chagrins
Il s'en fait des manteaux pourtant quelqu'un m'a dit...

Refrain
Que tu m'aimais encore,
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore.
Serais ce possible alors ?

On me dit que le destin se moque bien de nous
Qu'il ne nous donne rien et qu'il nous promet tout
Paraît qu'le bonheur est à portée de main,
Alors on tend la main et on se retrouve fou
Pourtant quelqu'un m'a dit ...

Refrain

Mais qui est ce qui m'a dit que toujours tu m'aimais?
Je ne me souviens plus c'était tard dans la nuit,
J'entend encore la voix, mais je ne vois plus les traits
"Il vous aime, c'est secret, lui dites pas que j'vous l'ai dit"
Tu vois quelqu'un m'a dit...

Que tu m'aimais encore, me l'a t'on vraiment dit...
Que tu m'aimais encore, serait-ce possible alors ?

On me dit que nos vies ne valent pas grand chose,
Elles passent en un instant comme fânent les roses
On me dit que le temps qui glisse est un salaud
Que de nos tristesses il s'en fait des manteaux,
Pourtant quelqu'un m'a dit que...

Refrain



Ai carlinha.....

terça-feira, novembro 29, 2005

O frio e o sake.

Sao duas coisas que combinam...em Paris.
Paris é linda no Outono com as àrvores em tons quentes de laranja amarelado e sò quem nâo namorou debaixo dos cais do Pont Neuf é que nâo entende esta imagem, mas, num dia frio de inverno com esta névoa que insiste em nâo deixar o Sena, reconheço na cidade luz a beleza das suas sombras.
Ou entâo é do Sake e deste fantàstico Sushi degustado com a lentidâo de quem passa por esta cidade como um estranho numa terra (quase) estranha.
Ò Cidàlia como eu te compreendo;
Please God make me good , but not yet...

quinta-feira, novembro 24, 2005

Desafio

A Virgin lançou este desafio: neste poster encontrar 74 nomes de bandas. Uma pista: no céu, os Led Zeppelin. Eu, em parceria com alguém que também adora música, já encontrámos 65 nomes. Só faltam 9...

Green Eyes

Ontem, no Pavilhão Atlântico, pela segunda vez, vi um bom concerto dos Coldplay. Para variar, o som estava muito bom, embora os Goldfrapp não possam dizer o mesmo. Gostei de entrar no Pavilhão e ouvir o Chris Martin apresentar os Goldfrapp. Destes não gostei tanto. Demasiado eléctrico e electrónico... Muito abaixo das minhas expectativas.
Os Coldplay deram um concerto quase perfeito. O Chris Martin já conhece o público português. Sabe que umas palavras em português resultam sempre numa grande ovação. Sabe que qualquer música que cante é cantada em uníssono pela plateia. Sabe que gostamos daquele clima intimista, que lhe permite enganar-se e começar de novo, perante 17 mil pessoas (já o tinha feito em 2003). Eles sabem que gostamos deles e retribuem com um professionalismo irrepreensível. Não cantaram todas as que queria ouvir. Mas quase. E da próxima vez que vierem cá, voltarei a estar lá.
Só uma nota negativa. O público. Maioritariamente constituído por membros de classe média alta, com os seus aparelhos último modelo, passam o concerto inteiro de aparelhinho no ar, a tirar fotografias (ou a gravar as músicas), a mandar sms e mms. Às vezes pergunto-me: eles vieram ver o concerto ou o que querem é tirar fotografias para mostrar aos amigos que estiveram lá? Não há pachorra!!! Tentar ver o palco e o artista e só ver telemóveis e máquinas digitais na frente, não é lá muito agradável...

terça-feira, novembro 22, 2005

Começar bem o dia

Ouvir:
I’m taking a ride
With my best friend
I hope he never lets me down again

Com as vozes do Billy Corgan e do Dave Gahan. Música para maiores de 18...

segunda-feira, novembro 21, 2005

Gosto do Porto


E da Ribeira. E da cor do céu do Porto. Um céu de chuva. Gosto das pontes. Do rio. E lá não sei qual é o lado certo do rio. Uma cidade que alguém me ensinou a gostar...

Num outro lado do rio

sexta-feira, novembro 18, 2005

Depois de uma semana para esquecer...

A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se fecha e a peça termine sem aplausos.

Charlie Chaplin

quinta-feira, novembro 17, 2005

quanto tempo tem o tempo?

Quanto tempo tem o tempo?
Já não me lembro quem o perguntava mas creio que a resposta é: O tempo tem o tempo que o tempo tem.
?
Será que estive ausente durante tanto tempo? Quanto tempo é tanto tempo? Terá sido o tempo suficiente? Quanto tempo se faz luto por uma parte de nós que que se esvaíu?

Pelo meio ficou Anthony, Sublime.

terça-feira, novembro 08, 2005

Em audição


A Pain That I'm Used To

I'm not sure what I'm looking for anymore
I just know that I'm harder to console
I don't see who I'm trying to be instead of me
But the key is a question of control

Can you say what you're trying to play anyway
I just pay while you're breaking all the rules
All the signs that I find have been underlined
Devils thrive on the drive that is fueled

All this running around, well it's getting me down
Just give me a pain that I'm used to
I don't need to believe all the dreams you conceive
You just need to achieve something that rings true

There's a hole in your soul like an animal
With no conscience, repentance, oh no
Close your eyes, pay the price for your paradise
Devils feed on the seeds of the sown


Can't conceal what I feel, what I know is real
No mistaking the faking, I care
With a prayer in the air I will leave it there
On a note full of hope not despair


All this running around, well it's getting me down
Just give me a pain that I'm used to
I don't need to believe all the dreams you conceive
You just need to achieve something that rings true

sexta-feira, novembro 04, 2005

Brisa Maracujá

Na pausa para café, o tema de conversa foi a Brisa Maracujá. Quem já foi à Madeira ou ao Porto Santo, sabe do que estou a falar. Aviso para os amantes de Brisa Maracujá: já podemos matar saudades desse refrigerante, sem ir à Madeira. Desde Setembro, é possível comprar Brisa em qualquer dos hipermercados da cadeia Auchan. O problema é que, na maior parte das vezes, a prateleira da Brisa está vazia. Parece que esgota facilmente. Assumo a mea culpa. Nas minhas compras, a visita à dita prateleira é uma rotina. E, se houver, é açambarque na certa! Trazer o máximo que a minha capacidade de armazenamento em casa suporte! É que nunca se sabe quando vai voltar a haver!!!

EMA - Best Portuguese Act

"Já o merecíamos", disse a Sónia Tavares, dos The Gift. Também acho que sim. Mas acho que a Sónia merecia outro estilista. Aquele fato vermelho era horrível.

MTV Europe Music Awards Lisboa 2005

Gostei especialmente de dois momentos: a Madonna, a sair de um globo de espelhos, com um penteado à 80's, um som à 80's e um corpo espectacular (de fazer inveja a qualquer uma) e os hologramas dos Gorillaz.
Não gostei do Borat. Protagonizou os momentos menos felizes da noite. Insuportável. Idiota. O espectáculo merecia outro apresentador.

quinta-feira, novembro 03, 2005

As Intermitências da Morte

Saberemos cada vez menos o que é um ser humano.
Livro das Previsões

Começa assim, o novo livro do José Saramago:
No dia seguinte ninguém morreu.

O amor não se transforma em amizade

É o que eu penso. E já o disse mil vezes.

quarta-feira, novembro 02, 2005

Carta

Sei, porque te conheço, que continuas preso ao que tivemos. Preso não só ao que te mostrei mas também a tudo o que te faz lembrar de mim: um quadro, um lugar, uma paisagem, uma música... Sei, porque te conheço, que não vale a pena dizer-te para não o fazeres. Tu queres que seja assim. Eu não quero que seja assim. As minhas recordações estão apenas presas num tempo que passou e não a objectos, palavras, músicas. Tudo o que é meu, não deixou de o ser porque o partilhei contigo. Não quero cultivar a nostalgia do que foi. Quero viver apenas o que hoje é. Sem sombras do passado (mesmo quando "o que foi" se cruza com "o que é").

Hoje recebi um beijo

Enjoy The Silence

Words like violence
Break the silence
Come crashing in
Into my little world
Painful to me
Pierce right through me
Can't you understand
Oh my little girl
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very unnecessary
They can only do harm
Vows are spoken
To be broken
Feelings are intense
Words are trivial
Pleasures remain
So does the pain
Words are meaningless
And forgettable
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very unnecessary
They can only do harm
Depeche Mode

segunda-feira, outubro 31, 2005

Antony & The Johnsons


Hoje não vou ouvir esta voz ao vivo. Não vou estar no Coliseu. Mas já a ouvi antes. Noutra sala, noutra vida.

Bird Gehrl

I am a bird girl now
I've got my heart
Here in my hands now
I've been searching
For my wings some time
I'm gonna be born
Into soon the sky
Because I'm a bird girl
And the bird girls go to heaven
I'm a bird girl
And the bird girls can fly
Bird girls can fly

quinta-feira, outubro 27, 2005

Tornas-te eternamente responsável por quem cativaste

É a minha frase favorita do "Principezinho". Hoje, passados 3 meses, sinto-me feliz porque cativei e me deixei cativar.

Não sei quantas almas tenho

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

Fernando Pessoa

terça-feira, outubro 25, 2005

Postal


Hoje vi este postal, junto de outros, sobre Lisboa. Achei que estava deslocado. Só o conhecia em Viena. Fiquei a pensar porque o colocaram lá... Não resisti e peguei nele. Afinal, atrás, estavam outros, também do Klimt. Fiquei mais descansada. Afinal, não estava lá só para eu ver...

Na minha grafonola

Avalon
Juliet

We'll take a holiday you know I'd love you better
We'll take a holiday you know I'd love you better

What's the difference if it's yours or if it's mine
There's no difference if it's yours or if it's mine
anticipation and we haven't crossed a line
It doesn't matter when its only a matter of time

We'll take a holiday you know I know you'd love me better

We might ever have problems in our life
but this party has the best view
there's no lie
headstrong my precious alibi
I refuse to complecate you more than it's right
you are no reason to give
you are no reason to try
catch up to find out
I've never seen this life
caught up
I was caught up in the times
catch up to find out
I've never seen this life

What's the difference if it's yours or if it's mine
There's no difference if it's yours or if it's mine
anticipation and we haven't crossed a line
It doesn't matter when its only a matter of time

We'll take a holiday you know I'd love you better
We'll take a holiday you know I'd love you better

Catch up to find out
I've never seen this life
caught up
I was caught up in the time
Nothings your's we've been stuck in rewind

We stand up to get down
we stand up to get down
(where do we go now)
We stand up to get down
(where do we go now)
We stand up to get down
(Where do we go now)

We'll take a holiday you know I'd love you better
We'll take a holiday you know I'd love you better

segunda-feira, outubro 24, 2005

Vícios

Gosto de vícios. Tenho vários. Uns saudáveis, outros nem tanto. Tenho o vício de ler as palavras de outros. E, por vezes, parece-me difícil sobreviver sem elas. Hoje, gostei de saciar o meu vício.